Política, cultura e generalidades

sábado, 23 de janeiro de 2010

JB FM despreza ouvintes críticos

JB FM
Trago aqui a adaptação de alguns comentários que fiz na comunidade Dial Rio de Janeiro.

Estou virando ouvinte da JB FM, não por vontade própria, mas porque minha mãe ouve essa rádio direto. Que mierda de programação! Jabá puro e rest sellers. As mesmas musiquinhas chinfrins de qualquer hora, incluindo versões lentas do mesmo bate-estaca que toca na Transamérica, na Mix e na Beat 98. Incluindo músicas de Lady Gaga, cujo nome é altamente adequado para figurar na programação de uma rádio gagá contemporânea como é a JB FM.

Ser líder de audiência tendo apenas a SulAmérica como concorrente direta é molezinha, não é mesmo?

Quanto eu detono a atual planilha da JB FM, eu quero que ela melhore. Não que acabe virando rádio de igrejola ou repetidora de AM. Se alguém entendeu que eu quero o fim da rádio, é um completo imbecil que faltou às aulas de interpretação de texto na escola.

O problema da JB FM é que não se pode fazer uma crítica à sua planilha musical, que os caras da rádio respondem citando um monte de ações da rádio, menos uma reforma geral na planilha. Eu sinceramente estou de saco cheio dessa gente.

Cito aqui os "investimentos" da JB FM, segundo um dos diretores da rádio:

. Novo pacote de vinhetas produzidas por João Marcelo Boscoli.

. 12 edições do programa "Couvert Artístico" - Rio Scenarium e Posto 8.

. Show de Aniversário da Rádio com Maria Rita - Citibank Hall

. A JB FM foi promotora de mais de 190 shows em 2009.

. Novos equipamentos foram comprados.

. Estúdios remodelados.

. Mais de 70 lançamentos foram incluídos na programação.


De todos os itens, só o último diz respeito à acomodada planilha musical. E mesmo assim, os tais lançamentos incluem as versões lentinhas de bate-estacas que a Beat 98, Transamérica e Mix também tocam. Além de umas musiquetas altamente desqualificantes para uma rádio gagá... Err, adulto-contemporânea.

Uma rádio começa a morrer quando cospe na cara dos ouvintes, desprezando o que eles pensam sobre a programação. Eu cansei de levar cusparada na cara.

Já que pediram sugestões, que tal tornar o programa JB do Brasil diário, ou coloca-lo também aos sábados? Ele tem um critério de qualidade que não existe no restante da programação.

Publicado originalmente no Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário