Política, cultura e generalidades

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Governo continua ignorando FAB

CorruPTos
No meio desta discussão, achei até um mensaleiro tucano posando de inquisidor.

Fonte: JB.

Caças: “Decisão será política”, diz Amorim

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, deu sinais quarta-feira de que o relatório técnico da Aeronáutica sobre o projeto FX-2 de renovação da frota da Aeronáutica que apontou o caça sueco da empresa Saab como o mais vantajoso para o Brasil deve ser mesmo deixado de lado pelo governo:

– A decisão será sempre política – resumiu Amorim ao participar de uma conferência de imprensa em Genebra (Suíça). – Evidentemente, vamos estudar, levando em conta as questões técnicas, mas a decisão final cabe ao ministro da Defesa e ao presidente da República.

A preferência dos militares brasileiros pelos caças suecos também não abalou o ministro da Defesa francês, Hervé Morin, que, em entrevista à rede de TV francesa BMF, lembrou que a França estabeleceu uma aliança estratégica para o Brasil traduzida na venda, no ano passado, de helicópteros militares e submarinos no valor de 4,5 bilhões de euros.

Segundo Morin, a oferta francesa inclui a transferência tecnológica ao Brasil, que passaria então a ter uma plataforma industrial para a América Latina. Perguntado sobre o preço do caça Rafale, que é considerado muito alto em relação a seus concorrentes, Morin respondeu com uma interrogação provocativa:

– É possível comparar uma Ferrari, que é o Rafale, com um Volvo, que é o Grippen? – ironizou. De acordo com Morin, o Rafale é um avião de missões múltiplas que utiliza as tecnologias mais modernas.

O ministro francês considerou normal que o Brasil não tenha anunciado ainda com qual aparelho ficará porque “adquirir um avião de combate é adquirir um conjunto de sistema de armamento, ou seja, uma decisão para 40 anos, na qual influenciam muitos parâmetros”. Durante a entrevista ele insistiu para que a Suíça, que pretende renovar sua frota de aviões de combate, também escolha o Rafale.

Relatório

Para o deputado federal Raul Jungmann (PPS-PE), o pedido do presidente Lula para que a Força Aérea Brasileira retire a classificação dos caças do relatório, segundo divulgou o jornal O Estado de S.Paulo, não é correto, uma vez que a classificação “é inevitável”.

Na opinião de Jungmann, a possível opção pelos caças suecos não arranharia de forma alguma as relações políticas e diplomáticas do Brasil com a França porque os dois países tem sido parceiros e a recente compra de 50 helicópteros franceses pelo Brasil respalda esta parceria:

– A decisão sempre será política. Cabe ao presidente decidir. A aliança política estratégica entre os dois países existe. A França tem apoiado o Brasil e defendido uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU, mas temos margem de manobra para não optar pelos caças franceses e não arranhar as relações.

O presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Eduardo Azeredo (PSDB-MG), confirmou que convidará o ministro Jobim para ir à comissão falar sobre os critérios que vão nortear a decisão brasileira. Na opinião do senador, a escolha deveria se basear no relatório técnico e econômico porque o montante de recursos envolvidos na operação é muito alto:

– Ao contrário do que disse o Vacarezza (deputado Cândido Vacarezza), a diferença financeira não é uma mesquinharia. A diferença é considerável porque são 36 aviões. O governo se precipitou ao anunciar a preferência pelos caças francesas.

Presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Soberania, o deputado Wilson Picler (PDT-PR), disse que caso a decisão brasileira se baseie apenas em critérios políticos mobilizará o Congresso Nacional para que os parlamentares votem com dedicação a legislação de segurança nacional quando ela estiver na pauta.

–Não podemos censurar o presidente, mas caso a decisão do presidente nos cause estranheza, vamos nos empenhar em votar uma legislação de segurança nacional que impeça a concentração de poder as mãos do presidente, como já ocorre nos Estados Unidos – alertou.

Já o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) acredita que toda a polêmica gerada em torno da questão fará que a decisão fique para o próximo presidente.

– Não há iminência de guerra. Então é natural deixar a decisão para o sucessor, assim como ocorreu no governo FHC – completou.

Jobim e comandantes recebem apoio de militares

A decisão do governo de ignorar o relatório da Força Aérea Brasileira que aponta o caça sueco Gripen, da empresa Saab, como o mais adequado para ser adquirido pelo Brasil, não é o único ponto de tensão entre militares e governo. Em nota divulgada quarta-feira, os presidentes dos clubes Naval, Militar e da Aeronáutica prestaram solidariedade ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, e aos comandantes do Exército, general Enzo Martins Peri, e da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, que ameaçaram pedir demissão caso fosse instalada a “Comissão da Verdade”, instância que teria, entre outras atribuições, poderes para apurar torturas e desaparecimentos durante o regime militar (1964-1985)

No texto, os militares perguntam a quem pode interessar reabrir um tema pacificado com a Lei da Anistia, vigente há mais de 20 anos. Na opinião dos militares, a consequência da comissão seria a divisão dos brasileiros, sendo que muitos nem haviam nascido em 1964. “As sequelas deixadas em ambos os lados certamente viriam à tona, quando vivemos presentemente em clima de entendimento e plena convivência democrática”, diz a nota.

Segundo os militares, se o governo quiser efetivamente reviver a verdade deste passado, teria que examinar não só os atos praticados pelos militares da época, mas também dos militantes que protagonizaram “cenas cruéis de terrorismo, sequestros, assassinatos, assaltos a bancos, etc, crimes hoje classificados como hediondos e dos quais alguns dos autores ainda se vangloriam”.

A nota ressalta que o Brasil vive hoje em regime de ampla democracia e que os militares desejam que o Brasil seja um país para todos, sem revanchismos contra qualquer facção.

21:55 - 06/01/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário