Política, cultura e generalidades

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Era Sarney finalmente chega à Venezuela

Fonte: O Globo.

Maxidesvalorização na Venezuela

Com apoio do Exército, Chávez fecha 70 lojas na Venezuela por elevar preços
Publicada em 11/01/2010 às 23h29m
O Globo, com agências internacionais

CARACAS e RIO - Conforme anunciado domingo pelo presidente Hugo Chávez, o governo venezuelano deu início na segunda-feira à fiscalização de lojas e supermercados, o que levou ao fechamento de 70 estabelecimentos que remarcaram seus preços. O ministro do Comércio, Eduardo Samán, afirmou que a desvalorização do bolívar, de até 50%, não deve afetar os preços, pois os custos dos produtos hoje à venda teriam sido calculados por um valor muito superior ao câmbio anterior, de 2,15 bolívares por dólar.

O custo de dólares no mercado paralelo da Venezuela acumulou alta de 18% de sexta a segunda-feira, atingindo 6,5 bolívares por dólar.

Na sexta-feira, o governo anunciou que o câmbio passaria a 2,60 para itens essenciais, como de saúde e alimentos, ou a 4,30, no caso de supérfluos, a fim de impulsionar a produção nacional. Ontem, no mercado paralelo, o dólar avançou 18%, para 6,50 bolívares.

- Os produtos existentes não podem ser objeto de reajuste, a lei o afirma explicitamente, por isso iniciaremos um exaustivo processo de inspeção, no qual aplicaremos medidas de fechamento temporário a quem tiver remarcado, para voltar ao preço original - afirmou o ministro, ressaltando que a usura é um delito passível de prisão.

"Encontramos no supermercado Exito Norte, o qual sofrerá uma medida preventiva de fechamento preventivo por estar remarcando os preços"

Participam da fiscalização a Guarda Nacional, o Serviço Integrado de Administração Aduaneira e Tributária (Seniat), o Instituto para a Defesa das Pessoas no Acesso a Bens e Serviços (Indepabis), o Ministério do Comércio e órgãos locais.

Leia também: Venezuela: Chávez põe soldados nas ruas para controlar preços
O Indepabis fechou duas filiais do supermercado Éxito (rede controlada pela francesa Casino), além de 15 lojas em Punto Fijo e oito em Maracay, entre outras. Alguns dos setores mais atingidos foram os de eletrodomésticos, alimentos e autopeças, informou a estatal Agencia Bolivariana de Notícias. Segundo o Indepabis, os reajustes médios foram de 50% - com altas de até 200%. Os estabelecimentos ficarão fechados por 24 ou 48 horas, para retomar os preços da semana passada.

Hugo Chávez já tinha advertido no domingo que poderia confiscar qualquer loja que especulasse.

- No dia de hoje (segunda-feira) nos encontramos no supermercado Exito Norte, localizado no município de Maracaibo, do estado de Zulia, o qual sofrerá uma medida preventiva de fechamento preventivo por estar remarcando os preços - disse a jornalistas Myrelis Egurrola, do Idepabis, enquanto cumpria a ordem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário