Política, cultura e generalidades

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Protesto contra cena de tapa em Helena

Rede Globo
Normalmente, eu não comento novelas neste blog. Mas esta polêmica eu não deixaria passar em branco. Sem trocadilhos.

Desta vez, estou com a Rede Globo. Quer dizer que a personagem de Taís Araújo pode dar um tapa na cara da de Alinne Moraes e a de Lília Cabral não pode dar um tapa na cara da de Taís Araújo?

Além de um País de Tolos, este é um País do Racismo às Avessas.

Fonte: O Dia.

Protesto contra cena de tapa em Helena

Cena de ‘Viver a Vida’ em que personagem de Taís Araújo apanha de joelhos revolta o movimento negro

Rio - O Dia da Consciência Negra, comemorado hoje, não será só de festa. Um grupo de mulheres do movimento negro promete protestar contra o autor da novela ‘Viver a Vida’, Manoel Carlos, como adiantou ontem o ‘Informe do DIA’. O motivo é a cena entre Tereza (Lilia Cabral) e Helena (Tais Araujo) que foi ao ar segunda-feira, quando a modelo leva um tapa da rival ao pedir perdão, de joelhos, pelo acidente da filha.

Helena apanhou de Tereza ao pedir perdão por acidente de Luciana. Até mesmo a cantora Preta Gil, fiel espectadora do folhetim, ficou chocada com a cena, como comentou em sua página Twitter: “Gente, ‘lerê lerê’, que foi isso? (...) Achei que estava assistindo a Escrava Isaura. Reage, Helena, levanta!”.

Para a militante do movimento antirracista e historiadora Janete Santos Ribeiro, o problema é o momento em que a cena foi ao ar: “O autor foi infeliz ao colocar essa cena no mês da Consciência Negra, porque remete a uma memória que a gente está lutando há 500 anos para mudar”. O ator Milton Gonçalves não concorda com as acusações de racismo: “Isso é uma novela, é para aguçar os sentimentos. Não foi uma humilhação”.

A Central Globo de Comunicação comentou a polêmica em nota: “Respeitamos a opinião de todos, mas é importante registrar que novelas são gêneros da categoria ficção, sem compromisso com a realidade. De qualquer forma, é estranho que, mesmo na teledramaturgia, se julgue a pessoa pela cor de sua pele. Uma personagem negra pode, por exemplo, agredir uma personagem branca. Mas, por ser negra, não pode ser agredida por uma branca?”. A personagem de Taís Araújo já deu uma bofetada em Luciana, filha de Tereza, representada por Alinne Moraes.

Um comentário:

  1. A cena nada tem a ver com racismo. A personagem de Lilia Cabral é mãe da personagem de Alinne Moares, que foi acidentada.

    Não foi uma branca que bateu numa negra. Foi uma mãe desesperada que bateu numa madrasta que foi negligente e que não cuidou de sua enteada. Isso é o que houve. A tal madrasta poderia ser de qualquer cor que a reação seria a mesma.

    Brasileiro é povo histérico.

    ResponderExcluir