Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Voto nulo para um cargo nulo

Rio 2016 - Cidade dispendiosa
Os cargos de presidente da República, senador, deputado federal, deputado estadual, deputado distrital, prefeito e vereador ainda são cargos relevantes, que têm algum poder prático. Quando pessoas competentes e de boa índole são investidas neles, toda a sociedade é beneficiada.

Por outro lado, o cargo de governador do Rio de Janeiro tornou-se mera ficção jurídica, com pouca ou nenhuma influência prática no dia-a-dia da população do Estado. Quem manda nessa joça é a bandidagem. Seja a do crime organizado ou a dos políticos fisiológicos que fazem o governador entregar todos os seus nacos de poder a eles.

Não declararei meus futuros votos para os demais cargos na eleição de 2010, porque quero manter neutralidade. Para o decorativo cargo de governador, anuncio de antemão a intenção de anular o voto. Todos os candidatos serão risíveis, sejam de partidos grandes ou nanicos. Os piores candidatos serão aqueles que farão promessas. Porque, francamente, querer ser governador do Rio e dizer que poderá fazer alguma coisa já é suficiente para desqualificar qualquer candidato.

Um comentário:

  1. A realidade mostra que um cargo político, qualquer um deles, é uma tarefa difícil de desempenhar. Envolve responsabilidades enormes.

    É uma missão difícil, que se torna comprometida no primeiro cansaço, quando o antigo idealista, novato na vida política, recebe sugestão de colegas para trocar essa missão de responsabilidade e honestidade por algum tipo de corrupção que signifique enormes vantagens financeiras.

    Existem políticos honestos, mas eles não se sobressaem. A maioria, infelizmente, é de políticos que se enriqueceram às custas da corrupção ativa ou passiva. Difícil alguém na política fugir da tentação de colegas corruptos, que oferecem vantagens enormes.

    A propósito, alguém notou que o presidente do Senado, José Sarney, agora é tratado com o máximo respeito pela grande imprensa?

    ResponderExcluir