Política, cultura e generalidades

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Mais espaço para evangélicos na Globo

Rede Globo
Os evangélicos pentecostais tem que parar com esse ridículo "marketing de exclusão" e reconhecer de uma vez por todas que eles já chegaram ao poder. Tanto na política quanto na grande mídia.

Hoje mesmo, o programa Bom Dia Rio da outrora "endemoniada" Rede Globo entrevistou a cantora evangélica Marina de Oliveira, uma das líderes do grupo evangélico MK, do pai e deputado federal Arolde de Oliveira (DEM-RJ).



Todo esse recente interesse das Organizações Globo pela música evangélica e também pela música católica não é de graça. O aumento do número de evangélicos e de católicos carismáticos criou um novo mercado a ser explorado. A Som Livre escancarou as portas para os cantores e bandas dos dois gêneros. E geralmente os apreciadores desses estilos de música estão menos propensos a comprarem CDs e DVDs piratas e a baixarem músicas gratuitamente da Internet. Pastores e artistas evangélicos costumam igualar estas atitudes ao roubo e ao furto, o que provoca um drama de consciência nos fiéis.

Há músicas evangélicas e músicas católicas ruins, e músicas evangélicas e músicas católicas boas. De vez em quando, separarei o joio do trigo.

5 comentários:

  1. Marcelo, o Brasil precisa de mais politicos cristãos ,ou budista, ou espirita ou ateu mesmo ,éticos e honestos do que evangélicos ou católicos. Eu acho que você também pensa assim.O cristianismo é mais exemplo do que grito.Muitos desses politicos se dizem católicos ou evangélicos por conveniência.Esses só enganam trouxa.
    Um abraço,Cara. Força Sempre.Continue sendo um bom exemplo.

    ResponderExcluir
  2. Caro Edilson, eu concordo contigo.

    Eu cito esses politiqueiros da bancada evangélica porque eles são os que gritam mais, e o grito deles só é possível num país de tolos, como o Brasil.

    Não cito os demais grupos confessionais por privilegiar uns ou outros. É que os outros são muito mais discretos. Detestaria ver este país mudar para um radicalismo xiita ou sunita, como certos países do Oriente Médio. Nenhum radicalismo é certo.

    Precisamos de equilíbrio, em tudo na vida.

    ResponderExcluir
  3. Parece que a globo está adotando outra tática para derrotar a Record.

    ResponderExcluir
  4. E é exatamente por você ser um cara equilibrado, educado,centrado e crítico que, sempre que posso, visito o seu blog. Estou divulgando para os amigos aqui do Sul o blog de vocês.

    ResponderExcluir
  5. O QUE UMA ESCRITORA HOLANDESA FALOU DO BRASIL.

    LEIA COM BASTANTE ATENÇÃO

    Os brasileiros acham que o mundo todo presta, menos o Brasil, realmente parece que é um vício falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos.
    Aqui na Holanda, os resultados das eleições demoram horrores porque não há nada automatizado .
    Só existe uma companhia telefônica e pasmem!: Se você ligar reclamando do serviço, corre o risco de ter seu telefone temporariamente desconectado.

    Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o sanduíche em um guardanapo - ou de lavar as mãos antes de comer. Nas padarias, feiras e açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja entregam o pão ou a carne.

    Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas enroladas em folhas de jornal - e tem fila na porta.

    Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri na sua cara, porque não existe. Fumam até em elevador.

    Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir pra lá dar aulas de 'Como conquistar o Cliente'.
    !

    ResponderExcluir